Header Ads

Ryanair muda as regras: levar uma mala na cabine vai custar 5 euros


Companhia quer reduzir atrasos e incentivar passageiros a mandar malas para o porão. Para isso, vai descer preços da bagagem de porão e subir os das malas na cabine

Os clientes da Ryanair que quiserem viajar com uma pequena mala na cabine vão ter de pagar mais cinco euros pela tarifa de "embarque prioritário". A companhia alterou as regras relativas à bagagem, alegando que sentiu necessidade de reduzir o tempo de embarque e os atrasos causados pelos passageiros que entram para o avião com a mala e depois têm dificuldades em encontrar espaço para a arrumar.

Segundo o The Guardian, quem pagar pelo embarque prioritário poderá levar uma mala com as dimensões aceites na cabine e mais uma carteira ou mochila. Já os passageiros que preferirem não pagar o extra, vão ter de mandar a mala - sempre de pequenas dimensões - para o porão, mas sem pagar mais por isso, e esperar no final do voo para a recolher.

A companhia britânica prepara-se também para descer os preços da bagagem de porão: a partir de 1 de novembro, cada passageiro poderá levar uma mala que pese até 20kg, em vez dos anteriores 15kg, e pagar por isso 25 euros - antes, o preço ficava nos 35 euros.
O melhor do Diário de Notícias no seu email

Citado pelo The Guardian, Kenny Jacobs, o diretor de marketing da companhia, explicou que as mudanças se devem ao número cada vez maior de passageiros em cada voo. "Um determinado número de pessoas leva sempre dois sacos grandes, ocupando o espaço dos outros. Julgam que conseguem safar-se com isso e, geralmente, conseguem, mas não queremos ter de voltar a policiar o tamanho das malas na porta de embarque".

Jacobs referiu ainda que as mudanças nas regras para transporte de bagagem na Ryanair vão custar à companhia mais de 50 milhões de euros por ano. "Mas acreditamos que oferecer malas maiores a taxas mais reduzidas vai encorajar mais clientes a considerar mandar a mala para o porão", frisou.

Na realidade, trata-se de oficializar uma prática que vem sendo aplicada nos últimos tempos, já que o preçário consta inclusivamente na informação ao cliente no site da Ryanair.

3 comentários:

  1. "A companhia britânica..." Como é que ainda fazem erros destes?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste caso por acaso está correcto, a Irlanda (ainda) pertence à Grã-Bretanha.

      Eliminar
    2. Neste caso estás errado. A Irlanda do Norte pertence à Grã-Bretanha, a República da Irlanda não...

      Eliminar