Header Ads

Açores, onde a beleza é multiplicada por nove




Uma publicação partilhada por I Love Azores (@iloveazores) a


O que não pode mesmo perder no arquipélago. As novidades e o 'best of' de cada uma das ilhas.

O arquipélago dos Açores entrou definitivamente na moda com um turismo sustentável que faz inveja a muitos. O CM partilha com os leitores uma seleção de atividades e de cenários idílicos em cada uma das nove ilhas. Neste mesmo artigo vai encontrar novidades e pontos de interesse que não estão nos guias turísticos e segredos das suas gentes que gostam de receber quem é de fora.

Apesar destas ilhas se fundirem numa só região e de terem pontos em comum, a verdade é que cada uma destas terras vulcânicas, nascidas em pleno oceano Atlântico, é única no seu jeito de ser, na sua cultura e tradições e até na sua pronúncia. O tempo é instável e por vezes as chuvas interrompem as férias, mas nós garantimos: o mar quente e cristalino, a natureza verde e virgem e as dezenas de cascatas que cintilam nas rochas de São Miguel às Flores fazem com que uma viagem pelas ilhas sejam uma experiência inesquecível.


Flores 

É difícil ficar indiferente às cascatas das Flores. Por toda a ilha há nascentes a descer pelas encostas que chamam a atenção até do visitante mais distraído. Não é por isso de estranhar que esta ilha concentre a maioria dos percursos de canyoning dos Açores (40 em 100). Se preferir umas férias com menos adrenalina, mas igualmente emocionantes, pode sempre nadar no Poço do Bacalhau e fazer uma caminhada até ao éden... o Poço da Ribeira do Ferreiro, ambos na freguesia da Fajã Grande. A volta à ilha de barco é uma viagem que não pode perder. Grutas, cascatas que caem a pico sobre o mar e dezenas de ilhéus fazem as delícias de pequenos e graúdos. Aproveite para tirar uma foto no ponto mais Ocidental da Europa: o Ilhéu do Monchique (Na Europa continental é o Cabo da Roca). Se não tiver tempo de visitar as sete lagoas da ilha, o melhor é ir direto à lagoa Negra e Comprida que, lado a lado, formam um cenário idílico. O miradouro Craveiro Lopes é dos mais bonitos. A partir daqui vê o verde vale da Fajãzinha. Na Fajã Grande há um moinho de água onde pode assistir à moagem do milho. Se gostar de campismo, pode fazê-lo na Alagoa, na freguesia dos Cedros. Aqui pode nadar junto a vários ilhéus e ainda observar o vizinho Corvo. A mais recente piscina natural das Flores chama-se Salemas. Coloque os óculos de mergulho e prepare-se para isto: peixes de várias cores, búzios e estrelas do mar que forram as pedras de vermelho.


Corvo 

O maior segredo do Corvo fica dentro de uma cratera de um vulcão extinto. Chama-se Caldeirão, fica no cimo da ilha e dizem os locais que nestes pequenos montes e lagoas estão retratadas as nove ilhas. A mais pequena ilha dos Açores é cada vez mais procurada pelos birdwatchers, tanto que, em outubro, as viagens para lá estão esgotadas. É neste mês que as aves cruzam o Atlântico. O Caneiro dos Meros é um dos lugares de mergulho mais procurados de Portugal. Aqui pode conviver com afáveis peixes que disputam por atenção. Da Ponta Negra vê a vizinha ilha das Flores.


Faial 

Agora já pode conhecer os 10 vulcões do Faial na mesma caminhada. O trilho, de 36 km, passa pela Caldeira - a cratera do maior vulcão da ilha - e pelo misterioso vulcão dos Capelinhos. O sismo de 1998 destruiu o farol da Ribeirinha, mas a má sorte deu-lhe uma boa dose de mistério. Se estiver nevoeiro parece assombrado, se o sol brilhar vê o Pico, São Jorge e a Graciosa. No Café Peter não fique só pelo gin, visite o museu onde pousam centenas de dentes de cachalote. Para os aventureiros, a Norberto Diver disponibiliza mergulhos com tubarões. Visite a casa onde nasceu o 1.º Presidente da República, Manuel de Arriaga. Conhecer a ilha a cavalo é uma boa alternativa ao carro. Pode fazê-lo com a Pátio


Pico 

É incontornável falar do Pico sem referir o ponto mais alto de Portugal, mas se não gosta de alturas (ou de grandes caminhadas), visite a gruta das Torres e conheça o interior do vulcão. Percorra a paisagem labiríntica de muros de pedra – Património Mundial da UNESCO – que protegem as milhares de videiras responsáveis por vinhos tão apreciados que até já foram exportados para czares da Rússia. Visite o Museu dos Baleeiros, na vila das Lajes, e conheça um pouco deste costume, abolido em 1987, que faz parte da identidade dos Açores. No Pico nota-se a riqueza do mar em todo o seu esplendor. Aproveite para navegar com baleias e nadar com golfinhos. A cada canto desta ilha há uma piscina natural com águas cristalinas. A mais recente fica na Fonte, nas Lajes, e é um autêntico paraíso escondido por fresco arvoredo.


São Jorge

A beleza da Fajã da Caldeira de Santo Cristo já não é segredo para ninguém. O que muitos não sabem é que aqui não há carros, só há um café, mas há surf e paddle e um surf camp para pernoitar. A Poça Simão Dias, na Fajã do Ouvidor, é das piscinas mais encantadoras de São Jorge. No Café Nunes, na Fajã dos Vimes, pode beber o único café produzido na Europa. Fugir ao queijo é quase impossível, mas aproveite para experimentar também as conservas de atum Santa Catarina. No ilhéu do Topo, em frente à vila, há vacas felizes que vão a nado para as pastagens.


Graciosa

Atravesse a Furna da Maria Encantada e encontre a mágica Cratera da Caldeira. Visite a Furna do Enxofre, onde fica a maior cúpula vulcânica da Europa. Conheça a ilha a galope de um burro anão e ajude a combater a sua extinção. Observe o ilhéu da Baleia. Contemple a vista da Caldeirinha, de onde pode observar todo o grupo central. Faça a rota da água: percurso pela rede de sistemas de abastecimento de água. Veja um dos 28 moinhos de vento da ilha. Mergulhe nas Termas e piscinas do Carapacho.


Terceira 

A vista da serra do Cume é arrebatadora. Uma manta de retalhos verdes, com vaquinhas pelo meio, que só acaba quando o azul do mar começa. Se gosta de mergulho não deixe de o fazer na baía de Angra (capital histórica dos Açores). Há um percurso turístico submerso que passa por alguns dos 74 naufrágios que ocorreram nesta baía. Visite um dos 45 Impérios do Divino Espírito Santo da ilha. Nos Biscoitos, além das piscinas naturais de água cristalina, pode percorrer as vinhas que deram origem aos novos vinhos da Adega Mãe, o Magma e Muros de Magma.


São Miguel

Se há foto que não pode faltar nas suas redes sociais é da lagoa das Sete Cidades. Primar pela originalidade é difícil, mas em vez de tirar foto da Vista do Rei, onde todos lutam pelo melhor clique, suba ao hotel abandonado Monte Palace e mostre aos amigos como o caos e a beleza aqui se unem tão perfeitamente. Não pode deixar de visitar os campos do chá Gorreana, as estufas dos Ananases e provar o icónico bife à regional. O famoso cozido das furnas também é imperdível, mas, entre uma foto e outra às fumarolas, prove as maçarocas de milho cozidas da mesma forma. As águas termais da poça da Dona Beija (4 €) e as águas quentes da Caldeira Velha (4 €) são imperdíveis. A mais antiga e maior devoção popular do País tem lugar em Ponta Delgada. As festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres realizam-se em maio, mas se visitar esta ilha noutra altura do ano pode sempre passar pela igreja homónima. O Ilhéu de Vila Franca é outra referência de beleza ímpar. Uma cratera de um antigo vulcão submarino preenchida com águas cristalinas. A lagoa do Fogo é das mais bonitas, mas a lagoa do Combro pode ser só para si… é das mais sossegadas da ilha. Cada vez mais pessoas querem surfar as ondas açorianas e em São Miguel, além de muitas escolas, há já também campeonatos da especialidade. Não se assuste ao ver uma casa tombada nas furnas, não foi um sismo, é apenas um posto de eletricidade ao qual ninguém resiste a tirar fotos.


Santa Maria 

Esta é a única ilha dos Açores com praias de areia branca e tem as águas mais quentes do arquipélago, chegando mesmo aos 25 graus. Em 2013, o ‘The Guardian’ elegeu a praia Formosa como uma das 20 melhores do Mundo. Aqui os mergulhos ganham ainda mais magia. As jamantas e os tubarões-baleia fazem parte do cenário. No Pico do Alto pode observar a dupla personalidade da ilha: de um lado vegetação e do outro uma costa árida. Na Ermida dos Anjos há uma vara que servia para chicotear os piratas quando estes queriam levar os marienses como escravos. Faça a Grande Rota: cinco trilhos unidos num só com 78 km (a ilha tem 97). O Barreiro da Faneca tem a única paisagem desértica dos Açores.


in cmjornal.pt

Sem comentários