Header Ads

Pia esculpida numa rocha na ilha Terceira datada com 950 anos


Uma amostra de uma pia esculpida numa rocha na Grota do Medo, na ilha Terceira, foi datada com 950 anos por um laboratório norte-americano, o que comprova, segundo o investigador Félix Rodrigues, a presença pré-portuguesa nos Açores.

"É fundamental continuar a estudar com objetividade, com muito cuidado e preservando o que provoca estranheza", defendeu o investigador, em declarações à Lusa, acrescentando que a técnica que datou a amostra é "extremamente precisa".

Félix Rodrigues, professor da Universidade dos Açores, com formação em física, descobriu há cerca de três anos, na Grota do Medo, o que julga ser um complexo megalítico anterior ao povoamento português dos Açores.

Desde então, o investigador tem defendido um inventário das estruturas e a sua datação, junto da Direção Regional da Cultura dos Açores, mas a tutela criou, há cerca de um ano, um grupo constituído por 13 especialistas de arqueologia, história e geologia, que visitou a Grota do Medo e outros locais, durante uma semana, e considerou que as estruturas identificadas não eram anteriores ao povoamento português.

Não convencido com o resultado, Félix Rodrigues recolheu uma amostra de um material aglomerante, que soldou uma fratura existente numa pia quadrangular esculpida numa rocha no alegado complexo megalítico da Grota do Medo, e enviou-a para o laboratório da Beta Analytics, em Miami, "certificado pela norma ISSO-17025".

"A idade convencional obtida pelo método de radiocarbono foi de 950 anos, com um erro associado de 30 anos. Tal resultado aponta para a construção de uma peça arqueológica construída pelo homem na ilha Terceira, há pelo menos 950 anos, ou seja, no ano de 1064, com um erro de 30 anos", frisou Félix Rodrigues.

O investigador salientou que possui um certificado da datação e calibração efetuadas pela Beta Analytics, acrescentando que "todo o processo, desde a recolha até à análise da amostra foi devidamente registado para garantir a objetividade do processo científico".

Para Félix Rodrigues, o resultado da análise "permite concluir que houve presença pré-portuguesa na ilha Terceira" e não há hipótese de a pia ter sido transportada para o arquipélago posteriormente, porque "faz parte de um aglomerado rochoso e está preso à ilha".

O docente da Universidade dos Açores considerou mesmo que a estrutura pode até ter mais do que 950 anos, porque "a amostra representa apenas a data em que a pia foi fraturada e não forçosamente a data em que a pia foi construída".

A datação por "espetroscopia de massa acoplada a acelerador de partículas" só foi possível porque a amostra continha no seu interior material orgânico.

Félix Rodrigues disse ainda não ter qualquer dúvida de que a pia foi construída pelo homem, alegando que nenhum dos arqueólogos que visitaram o local colocou em causa a intervenção humana, apenas a data em que foi construída.

"Se as pias circulares poderão ser resultado da erosão, as formas cúbicas não resultam de um processo material de erosão e há marcas de intervenção humana claramente identificadas", frisou.

Segundo o investigador, estão presentes na rocha outras intervenções humanas "produzidas pela técnica de cinzel e percutor, como uma cavidade ovalada com canal, de um lado, e um arco de forma arredondada, no outro".

Félix Rodrigues disse que existem outras pias esculpidas, circulares e cúbicas, mas algumas apresentam "enorme desgaste resultante da saída de água do seu interior".

"Já há outros materiais aglomerados identificados, mas este é um primeiro passo que parece extremamente importante para clarificar a presença humana na ilha", acrescentou.

Lusa

Sem comentários